GIRLSPT.COM - Cursores Animados
A Magia do Espelho: 2008

A Magia do Espelho

Espaço para devaneios, reflexões, desabafos, dicas culturais e otras cositas más

Novidades para o Verão







Em janeiro o “O Boticário” lançará um cardápio de delícias que não engorda ninguém, mas que vai deixar muita gente babando. Trata-se da nova linha de cosméticos Fun Ice Cream. Inspirada no verão, a linha Fun traz sabonetes, óleos corporais, colônias e hidratantes com cheirinho de frutas, sorvete, refrigerante e outras gostosuras.

Os formatos e as embalagens dos produtos também são especiais. Os sabonetes em barra têm formato de picolé e de bolas de sorvete. Já o sabonete cremoso foi inspirado no chantilly. As embalagens dos cremes e hidratantes lembram sundaes gostosos, nham, nham!

As embalagens são divertidas e charmosas

Vai um sorvetinho aí para esfoliar o corpo? Loucura? Na-na-ni-na-não! Com o Creme Esfoliante Corporal Sorvete de Flocos isso é totalmente possível. Depois é só escolher o sabor do creme hidratante para você ficar ainda mais cheirosa. Os hidratantes estão disponíveis nos sabores Sundae com Calda de Frutas Vermelhas, Sorvete de Frutas Tropicais e Milk Shake de Morango.
Mas o que mais me chamou atenção foi o óleo corporal sólido em formato de picolé. Primeiro porque eu nunca vi um óleo corporal sólido, segundo porque o formato de picolé é tão realístico que dá vontade de comer. Aliás, dá vontade de comer TODOS os produtos, rsrsrs.

Os preços das guloseimas variam de R$ 25,90 (Óleo Corporal Sólido Picolé de Banho) a R$ 39,90 (Desodorante Colônia Soda Fresh).

Menu repleto de delícias. Hummm....

Ainda não provei nenhum, mas fiquei babando no encarte com os produtos. Não sei se foi impressão minha, mas ele tinha um cheirinho tão bom! Rs. Meu aniversário já passou, mas se alguém quiser me dar um presentinho, dica a dia! Beijos!

Oi, Oi, Oi :)
Meu cantinho anda meio abandonado, mas eu não o esqueço.
Algumas coisas aconteceram muito rapidamente nas últimas semanas, mostrando mais uma vez que tudo acontece na hora certa, no tempo de Deus. Eu acredito nisso.
Consegui finalmente mudar algo que estava me fazendo infeliz. Embora ainda não seja o que eu realmente quero, sei que vou conseguir tudo que desejo, se Deus quiser.
Estou mais feliz, estou aprendendo, crescendo e isso é muito bom. Me sinto mais viva e em evolução.
Tive medo da escolha que fiz, pois toda mudança, ainda que seja boa, traz consigo um pouco de medo. Mas, além do medo, toda escolha traz crescimento. Não podemos deixar que o medo nos impeça de crescer, de provar coisas novas, de arriscar. Crescer é fazer escolhas.

Sabedoria oriental

- Mestre, como faço para me tornar um sábio?
- Boas escolhas.
- Mas como fazer boas escolhas?
- Experiência - diz o mestre.
- E como adquirir experiência, mestre?
- Más escolhas.

Uma escola base não basta

Não gosto de me manifestar muito sobre esses casos de crimes polêmicos cobertos excessivamente pela mídia, pois qualquer opinião é muito delicada e pode ser taxativa demais e causar ainda mais polêmica.

Acontece que minha indignação chegou a um ponto tal com relação à cobertura que a imprensa fez e está fazendo do caso Eloá que resolvi desabafar aqui para ver se me sentia um pouco melhor.

São tantos erros e absurdos que eu nem sei por qual começar. Acho que posso começar dizendo que, como jornalista, me sinto completamente envergonha pela imprensa brasileira que voa como urubus famintos em cima de cadáveres inocentes e tem como única preocupação matar a fome insaciável de audiência. A mídia parece esquecer que seres humanos estão enfrentando essas situações tão tristes, que existem famílias abaladas e sofrendo e que a imprensa não é juiz e, por tanto, não deve emitir nenhum julgamento e muito menos fazer com que inúmeras pessoas acreditem nesse julgamento.

Se ligarmos a TV hoje, vamos assistir a um show de acusação contra a polícia e programas inteiros dedicados a provar que a polícia errou no caso Eloá. Se a polícia errou ou acertou não sou eu quem vai dizer isso, o que posso dizer é que tenho certeza que ela fez tudo que podia para tentar evitar esse fim trágico que resultou na morte de uma jovem de 15 anos. Acho que a ação deve ser investigada e que se a polícia agiu de forma errada ela sofra uma punição por isso. Também acho importante que os “erros” cometidos pela polícia sejam divulgados para que cada um de nós possa cobrar do governo treinamento adequado para os policiais. No entanto, é preciso não esquecer que a polícia é formada por seres humanos que, como qualquer outro ser humano, são passíveis de erros.

Quero deixar claro que este artigo não é para defender a polícia, mas para refletir sobre a cobertura da imprensa brasileira neste caso e sobre as acusações que a mídia está fazendo à polícia. Seria ótimo se tudo isso fosse motivado pela intenção real de fazer o Governo e as pessoas refletirem sobre a qualidade da polícia brasileira. No entanto, na maioria dos casos o que a imprensa quer é conseguir audiência através do sensacionalismo.

Seria maravilhoso se a imprensa brasileira agisse dessa forma com o seu próprio trabalho. Se passasse semanas dedicando a programação inteira para discutir os erros da imprensa, as vidas que ela arruinou por conta de matérias mal apuradas e julgamentos errados. Mas não, pois os jornalistas são os intocáveis, nunca erram, NUNCA MESMO! Se por acaso admitem o erro, fazem questão de escondê-lo até a morte, afinal, não é interessante para eles divulgarem os próprios erros, pois as pessoas precisam acreditar que eles são confiáveis, que não erram nunca e que sabem de tudo.

Não vi nenhum programa discutindo, por exemplo, a atitude da apresentadora Sônia Abrão, que não só deu espaço para o seqüestrador e assassino Lindemberg, melhor dizendo, “querido”, falar na televisão, como também negociou o fim do seqüestro com ele. A atitude dessa jornalista e da produção do programa “A tarde é sua” só deu mais confiança ao Lindemberg, afinal, a preocupação dos repórteres era com ele, não com as vítimas. Assim, ele passou a se sentir um astro acima do bem e do mal.

Sim, a apresentadora Sônia Abrão se julga muito mais preparada para negociar o fim de um seqüestro do que os policiais do de Ações Táticas Especiais (Gate), que estavam cuidando do caso e que devem ter recebido um treinamento especial para lidar com esses casos.

Em nenhum momento eu vi algum programa de televisão o questionamento sobre a atitude da mídia nesse caso. Ninguém fala sobre isso. Ninguém questiona se é certo dar espaço para bandido na televisão, se é certo querer fazer o trabalho da polícia, se é certo invadir a privacidade da família, se é certo julgar a polícia, se é certo ficar fazendo matérias e mais matérias com o único intuito de mostrar que a polícia errou e, com isso, alavancar a audiência.

É triste, muito triste, ver que jornalistas como a Sônia Abrão se acham tão superiores e intocáveis a ponto de se envolverem em casos como esses e se acharem capazes de fazer o trabalho da polícia. No mínimo, ela deve achar que esse tipo de trabalho pode ser feito por qualquer pessoa e que ela certamente o faria melhor do que a polícia. Mas negociar com seqüestrador não é para qualquer pessoa, não é conversa de comadre nem conselho de tia velha e pretensiosa.

A imprensa faz questão de manter silêncio sobre isso, de esconder os seus erros, de colocar o lixo embaixo do tapete e de enganar a população. Sim, é isso que muitos dos que se dizem jornalista fazem: enganam a população. Acham que liberdade de imprensa é você sair por aí falando o que bem entende sobre quem quiser. Onde está a responsabilidade sobre as informações? Onde está o respeito aos seres humanos? Onde está a ética? Infelizmente, muitos jornalistas esqueceram para sempre de tudo isso.

O que se vê hoje na TV, na internet e nos jornais impressos é uma enxurrada de matérias querendo a todo custo mostrar que a polícia errou do começo ao fim do caso e que ainda agrediu fisicamente o assassino Lindemberg. Entrevistam peritos e fazem de treinadores da Swat verdadeiros heróis com o único objetivo de mostrar que a polícia errou.

A fome insaciável pela audiência faz com quem os jornalistas-urubus não respeitem a dor e o luto alheio e invadam a privacidade de uma família que já está sofrendo bastante com a morte da filha e que não precisa de acusações contra o pai. Que fique claro que não estou defendendo ninguém, acho que cada um deve pagar pelos crimes que cometeu, mas não é papel da imprensa fazer julgamentos nem acusações e é lamentável que, além de fazer tudo isso, ainda não tenha respeito nenhum pela dor de uma família e queiram lucrar em cima do sofrimento alheio.

Gostaria muito que a imprensa usasse todo esse empenho para discutir o seu papel na sociedade e a ética jornalística. Dói bastante ver que uma Escola Base só não basta, que a vida de muitas pessoas ainda vão ser arruinadas até o dia (ainda tenho esperanças) em que a imprensa brasileira seja realmente responsável, comprometida com a verdade, com a imparcialidade e com a população.

O caminho para o jornalismo ideal é árduo, mas chegar lá não é impossível. Pra tanto, é extremamente importante que cada um de nós, jornalistas e consumidores de notícias, exercite a criticidade e cobre da imprensa brasileira ética, respeito, imparcialidade e compromisso com a verdade. Precisamos fazer a nossa parte e incentivar todos os nossos conhecidos a fazerem a parte deles também, não podemos nos deixar cegar com o que a mídia quer que acreditemos sem questionarmos. Que o sofrimento causado pela mídia a pessoas inocentes em casos como a Escola Base, Eloá Cristina e tantos outros não seja em vão.

Se encantou pela cor lilás...

Saudades da infância


De vez em quando bate uma saudade da infância. Aquela saudade que a gente viaja nas lembranças com um sorriso melancólico nos lábios. Sinto saudades das brincadeiras no meio da rua. De correr, cair e ficar com os joelhos ralados na brincadeira do “pôdi”, aqui conhecida como “pega-pega”.

Saudade de implicar com os meninos, de ver as novelas e imitar os personagens, de assistir Carrossel na casa de amigos, pois na época o SBT só pegava com antena parabólica e eram poucas as famílias que possuíam o aparelho. Uma realidade bem distante dos tetos coalhados com grandes antenas redondas, até mesmo nas casas mais humildes, sinalizando que, felizmente, a diferença social diminuiu, assim como as distâncias.

Sinto saudade da felicidade simples que outrora foi causadora de tristeza. Às vezes a infância tem disso, possuímos tudo que precisamos para ser feliz, mas ainda não temos maturidade suficiente para perceber e aproveitar tudo.

Basta que eu feche os olhos para sentir de novo o cheiro do mato molhado, do curral fértil e do leite fresquinho. Lembro como se fosse ontem as brincadeiras com crianças que eu via duas vezes por ano, mas que pareciam amigas íntimas, lembro a curiosidade e o carinho pelos animais, o medo do escuro, o chamego com os pais.

A infância também tem gostos marcantes: Nescau com leite puro de vaca, nada de leite em pó ou de caixa, xilito, suco de morango, maria maluca, sequilho, tareco, picolé de creme de ovos que podia ter direito a repeteco. Tudo que uma criança gosta, mas que aidna não sabe valorizar.

Sinto saudade de esperar o Papai Noel chegar e de como descobri com alegria, não com tristeza, que eram meus pais que colocavam os presentes embaixo da cama. Sinto saudade de brincar com as bonecas tão desejadas, de projetar nelas a vida que gostaríamos de ter e de sonhar com o nosso futuro. Crianças são tão cheias de sonhos e isso é tão bom...

Sinto saudade de tudo, agradeço a Deus por tudo: pela família maravilhosa que me deu e por todas as outras coisas. Mas lamento ter compreendido alguns sentimentos tão tarde. Tarde para aproveitar melhor experiências, momentos e oportunidades, mas ainda cedo, muito cedo para aproveitar tudo o mais que a vida tem para me dar. E eu quero aproveitar tudo!

...

Cultive seus sonhos. Se não tem nenhum, invente. Mas não perca a capacidade de sonhar, pois os sonhos são os motorzinhos da vida, nos fazem acordar todos os dias com um friozinho na barriga, na esperança de que algo de bom aconteça, de encontrar a felicidade diária e de fazer cada segundo valer a pena.

Segure bem os seus sonhos, lute para realizá-los e invente novos sonhos. Coisa mais triste é viver sem sonhos, sem unzinho sequer. Uma pessoa sem sonhos é como uma folha seca que cai morta da árvore e fica à mercê do vento. Sem vontade própria, sem esperanças, sem alegria, sem vida. Viver sem sonhos e apenas passar o tempo enquanto a morte não vem. Pode parecer fácil, mas poucos sabem viver e sonhar. Poucos.

Campanha contra o preconceito - faça a sua parte

Acho ótimo a cara lisa do povo de dizer que não tem preconceito com nada, de ficar repetindo frases como: "eu até tenho um amigo gay" (daqui a pouco vai ser: "eu até tenho um amigo hetero"), "não sou racista, não acho que todo preto é marginal", "os gordos não sofrem preconceito", "viva à diferença". Como já disse aqui uma vez, ser preconceituoso está fora de moda.

Oi? Vai um óleo de peroba aí? A gente sabe (pelo menos eu sei) que esse discurso de "não sou preconceituoso" muitas vezes é apenas isso mesmo: um discurso. Já faz parte do nosso cotidiano ouvir campanhar que combatem o preconceito contra negros, deficientes físicos e homossexuais, mas ainda existem muitos preconceitos que as pessoas insistem em dizer que não existe, como o preconceito aos gordos, não precisam nem ser obesos mórbidos. Eis que hoje me deparo com a seguinte notícia no jornal:

GUARDA MUNICIPAL

Prefeitura reintegrará candidata gorda


Uma candidata que havia sido desclassificada por excesso de gordura num concurso para integrar a Guarda Municipal de Várzea Paulista (54 km de São Paulo) terá de ser reintegrada ao processo seletivo por decisão da Justiça. A prefeitura afirma que não irá recorrer. A alegação da defensora pública Thais dos Santos Lima foi a de que não há previsão legal que regulamente o percentual máximo de gordura corporal.

E ainda dizem que não existe preconceito contra os gordos. Gente, acho que todo mundo sabe, porque algumas vezes nós mesmos somos preconceituosos, apesar de ser difícil admitir, que os gordos sofrem sim preconceito. É um olhar com um riso na boca, é um comentário maldoso, um cochicho, uma piada sem graça.

O engraçado e também triste é que as pessoas têm dificuldade em aceitar que esse preconceito existe, é o que eu tenho percebido sempre que discuto esse assunto com alguém. Geralmente, escuto o seguinte: "Isso não existe, é besteira. A capacidade e a beleza das pessoas está além do exterior. Não sei por que você se preocupa com isso, até parece que você é obesa".

Oi? Será mesmo que a gente acredita que a beleza e a capacidade das pessoas está no interior e não na aparência? E outra, por acaso nós temos que ser vítimas diretas de preconceito para lutar contra ele? Quer dizer que eu preciso ser negra, gay e deficiente física para lutar contra o preconceito aos negros, gays e deficientes? Fala sério meeeessssmoooooo!!!!!!!

Gente, vamos parar de fechar os olhos para os preconceitos que nos rodeiam, vamos enxergar os nossos próprios preconceitos e combatê-los. Vamos crescer como seres humanos. Preconceito não é, nunca foi e nunca será uma coisa boa, acho que todo mundo sabe. Não é necessário fazer uma passeata ou um movimento para lutar contra o preconceito, a solução está nas pequenas atitudes, está em aprender a tratar as pessoas pelo que elas realmente são, o que está muito além do corpo, da cor, da aparência e dos bens materiais. Vamos refletir e crescer.

Dia de cão


Um cachorro da raça poodle foi parar atrás das grades em Sinop (MT), que fica a cerca de 500 quilômetros de Cuiabá, nesta segunda-feira (15). O animal estava com três adolescentes, que foram apreendidas por não apresentarem o documento do carro em que estavam e nem Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A dona do cachorro disse à reportagem da TV Centro América que não tinha com quem deixar o animal e acabou levando o cachorro para dentro das dependências da delegacia da Polícia Civil. As jovens ficaram em uma cela separada dos adultos.

Segundo informações da polícia, as jovens foram liberadas, algumas horas depois, com a chegada dos responsáveis, que assumiram o compromisso de levá-las posteriormente à Vara da Infância e da Juventude da cidade. O animal voltou para casa.


----------------------------------------------------------------------------------------------


Fico me perguntando o que passa na cabeça de certos jornalistas. Tudo bem que é curioso um cachorro "ser preso", mas por quê ninguém se preocupa em discutir o fato de as jovens terem sido colocadas em uma cela como qualquer outro criminoso nem de estarem dirigindo sem habilitação ou coisa do tipo.


Tá, pode ser crime dirigir sem habilitação, tem muito irresponsável dirigindo por aí com ou sem habilitação e causando tragédias, mas acho que o bom senso deve prevalecer sempre.


Ainda não consegui entender muito bem essa pauta nem o propósito dela, mas vamos lá, até os cães têm direito aos seus quinze minutos de fama.



Liberdade o quê???

Gente, miacabo vendo a propaganda da Claro se dizendo a favor da liberdade de escolha do usuário e do início imediato da portabilidade numérica. Por que, néan? Tem que usar muito óleo de peroba para fazer uma propaganda “A Claro é a favor da liberdade de escolha” quando ela ainda vende celular bloqueado. Liberdade pra quem, néan?

Muita gente deve ver essa propaganda e achar super lindo o posicionamento da Claro, principalmente porque é a Lara, digo, a Mariana Ximenes quem estrela o comercial. Somente quem já teve a infeliz oportunidade de sentir a tal “liberdade” da Claro é que percebe que essa propaganda é tão falsa quanto o cabelo louro do cantor Belo.

Por motivos de força maior, fui obrigada a comprar outro telefone celular há pouco mais de um mês. Fui até a loja da Claro e me interessei por um modelo, mas a vendedora disse que o celular era bloqueado e fez uma cara de pitbull raivoso quando perguntei se eles não desbloqueavam.

Fico imaginando o que uma empresa que é contraditória até na hora de decidir se é a favor ou não da liberdade de escolha dos usuários é capaz de fazer para conseguir uma fatia maior do mercado.

Gostaria muito de ver uma propagando do tipo: “A Claro é a favor da liberdade de escolha dos usuários e luta pela portabilidade numérica, mas ainda somos muito conservadores e só vendemos celulares bloqueados, afinal, como diria a concorrente, quem ama bloqueia”.

...

Angústia... Quem nunca sentiu? A minha brota da impaciência de querer transformar as coisas e da vontade que o tempo passe rápido, veloz o suficiente para me fazer mudar a realidade e matar essa angústia.

Às vezes parece uma simples fuga pensar que o fim da angústia virá com o passar do tempo, pois eu sei que o que precisa ser mudado agora depende de mim e não das folhas do calendário. Sei que posso resolver tudo que preciso agora sem contar tanto com a ajuda do tempo. Sei também que se ele passar rápido demais sentirei falta dele e continuarei a gastar horas e horas pensando em como o tempo passa rápido e no quanto eu gostaria que ele voltasse ou se adiantasse para reviver um momento ou conseguir alguma coisa.

Angústia... Parece que ela fica escondidinha em um canto escuro esperando apenas um descuido para se instalar no nosso coração. É difícil matá-la, mas é possível aprender a conviver com ela pacificamente, de forma a nem lembrar que ela existe. Só há um detalhe: é preciso aproveitar o tempo e fazer a coisa certa, o que na maioria das vezes é mais difícil e menos prazeroso do que persistir no erro e se deixar cair. A dor sempre esconde uma pontinha de prazer.

Ônibus em campanha por mais usuários

200 ônibus circulam com propaganda mostrando as vantagens de utilizar o serviço público de passageiros

De acordo com dados do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), nesses dez anos, foram observadas redução significativa e recuperação do número de usuários. O ano passado, explica o superintendente de Vale Transporte da entidade, Paulo César Vieira, foi de recuperação. “Em 2007, tivemos 24.395.962 passageiros sendo transportados pelo sistema público de ônibus”.

A preferência por este meio de transporte já foi bem maior. Em 1996, 25.647.632 pessoas utilizaram o sistema.Objetivando resgatar o usuário para o transporte público, o Sindiônibus iniciou no fim de julho a campanha “Vá de ônibus”, que procura atrair a população. Para isso, informa Paulo César, na primeira etapa, 200 ônibus trafegam com propaganda na traseira. São quatro tipos de peças, todas chamando a atenção do usuário para as vantagens do sistema e motivando a preferência pelo transporte público. Uma, em especial, procura orientar o estudante para que ele coloque créditos na sua carteira para evitar usar dinheiro dentro do ônibus. Outra peça informa que os carros ocupam, em média, oito vezes mais espaço do que os ônibus para transportar o mesmo número de pessoas.De acordo com a Empresa de Transportes Urbanos de Fortaleza (Etufor), a frota de ônibus circulando na Capital é de 1.670 veículos, operando em 222 linhas. A meta do Sindiônibus é ampliar o número de carros trafegando com peças da campanha em setembro.

-------------------------------------------------------------------------------------------------

Gente, diante dessa notícia a primeira coisa que me ocorrer é "o que esse povo tá pensando? Estão doidos ou o quê?". Todo mundo sabe que o transporte público em Fortaleza é um caos geral e não é com campanha publicitária que eles vão conseguir atrair mais usuários.

Embora as vantagens sejam inúmeras, os constrangimentos causados pelo transporte coletivo afastam qualquer possibilidade das pessoas que têm outra opção de transporte utilizarem os ônibus.

Conheço bastante o transporte coletivo da cidade, pois, apesar de hoje utilizá-lo bem menos, passei quatro anos pegando oito ônibus por dia e posso garantir que é um verdadeiro inferno!!!!!!!!! Alguns ônibus são mais do que lotadíssimos, daqueles que se você tirar o pé do chão não encontrará mais lugar para colocá-lo de novo, onde a "união" é tão grande que é possível sair de dentro deles grávida.

Até hoje nunca ouvi um único elogio ao transporte coletivo, que tem como principais usuários trabalhadores e estudantes que têm horários a cumprir e que muitas vezes não conseguem por causa da superlotação dos ônibus. A cena é a mesma todos os dias e se repete há vários e vários anos: lotação, desrespeito e estresse.

Para dar um exemplo, meu trabalho ficava a apenas 3 minutos da minha casa, mas se eu quisesse chegar no horário certo (8h) ou pelo menos perto dele, eu tinaha que estar na parada de ônibus antes das 7h, esperar passar uns dez ônibus lotados, sem espaço para uma mosca, e subir em um menos lotado que desse pelo menos para eu atravessar da porta traseira para a dianteira e conseguir descer, com sufoco e empurrões, na parada certa.

Isso sem falar na insegurança, nos furtos, assaltos e nos motoristas despreparados que colocam em risco a vida dos passageiros ao conduzirem os ônibus como carros de Fórmula 1. Também existem os motoristas desequilibrados, completamente tã tãs, que discutem e brigam (de porrada mesmo) com passageiros e só param nos pontos de ônibus quando querem. Enfim, muitos motoristas não têm o mínimo de respeito pelos passageiros, principalmente se estes forem idosos. Claro que existe muito profissional competente, mas, infelizmente, eles estão se tornando a exceção e não a regra.

Preciso dizer que estou completamente revoltada com essa campanha? Acho que não. É mais do que notório que para atrair mais usuários ou pelo menos manter os atuais é preciso investir no setor, aumentar a frota de ônibus, contratar profissionais competentes, oferecer um serviço de qualidade onde as pessoas possam ser transportadas com o mínimo de conforto, segurança e pontualidade. Afinal, nós merecemos respeito, pagamos passagens caras e temos direito de exigir um serviço de qualidade.

Barbie - Fim de Semana na Floresta

Sempre soube que a Barbie não era santa nem virgem, mas no filme "Barbie - Fim de Semana na Floresta" ela mostra todo o seu lado selvagem, até então desonhecido por muitos.

Apesar da boa atuação, a Barbie foi ofuscada pelo super bate-cabelo da Susie, vilã da história que virou a queridinha do público e ganhou imitações mundo afora.

Também fazem parte do elenco Polly 1 e Polly 2, nos papéis de Ruth e Raquel, e Ken 1 e Ken 2, como Ken e Beto.

A realização do filme é da Toscomovies Produções, que promete lançá-lo em breve nos cinemas nacionais e internacionais. Não fique curioso, confira o trailer do filme.

Ficha técnica:

Título: Barbie - Fim de Semana na Floresta
Censura: 18 anos
Elenco: Barbie, Susie, Ken 1, Ken 2, Polly 1 e Polly 2
Lançamento: Julho/2008

Toscomovies produções:

Guilherme Cavalcante - direção tosca e câmera capenga
Dháfine Mazza - assistência tosca de direção 1
Camila Maciel - figurinista tosca, assistente tosca de direção 2 e inspiração para a Suzy
Cornelius - câmera (os únicos takes decentes foram dele...)
Soudtrack - Bonde do Rolê (Melô do Tabaco)


video

Testes e imagens


Exercitar a mente sempre é bom, né? Não deixa a gente enferrujado e ajuda a prevenir o Alemão. Jogos de lógica e imagens de ilusão de ótica são ótimos exercícios e nos ajudam a estimular nosso raciocínio e ver muito além do superficial.

Para quem também gosta de exercitar o cérebro, a visão e otras cositas más, uma dica é o site Ilusão de Ótica, que disponibiliza uma rica galeria de imagens onde podemos perceber que nem sempre o que se vê é o que parece ser. Um único olhar muitas vezes não é suficiente para dizer tudo, alguns segredos requerem atenção e paciência para serem revelados.

Outra dica é o jogo dos canibais x missionários, um teste de lógica interessante e estimulante. O estilo do jogo já é conhecido: é preciso atravessar um rio seguindo algumas regrinhas básicas. Aqui, os canibais não podem ficar em número maior que os missionários, caso contrário, os religiosos são empurrados goela abaixo.

Além de estimular a mente, esses jogos e imagens divertem bastante, abrem nossos horizontes e nos ajudam a ver a vida com outros olhos. São ótimos não apenas nos momentos de ócio. Experimente!


É sucessoooooo...

Já é um super sucesso a dupla Asusana e Alibera, seguidoras do Inri Cristo que cantam de músicas famososas, como The Eye of the Tiger, Umbrella, Hotel California e What a feeling. Graças ao Te dou um dado? e ao youtube, as meninas conquistaram a fama e não param de lançar novos hits.

As letras das músicas fazem referência à trajetória de Inri Cristo na Terra e demonstram toda a criatividade das discípulas. A coregografia da dupla, o ritmo e o cenário também garantem o sucesso com público. Isso tudo sem falar no figurino e nos acessórios...

Confesso que depois que descobri essa dupla passo horas do meu dia imaginando o modo de viver delas, como são compostas as músicas, as coreografias, os figurinos e também como são os ensaios. Graças a Asusana e Alibera, minhas horas de tédio já não existem mais e eu passei a sorrir mais vezes durante o dia.

Se você ainda não viu nem ouviu a música da dupla Asusana e Alibera, não perca mais tempo, confira já!


video

E o dono levou...

Há algum tempo eu escrevi aqui que tudo é para sempre, até o dono levar. O que eu não imaginava que o dono levaria algumas coisas tão cedo...

Estava eu saindo de mais uma manhã super empolgante de trabalho quando fui abordada por um mala de bicicleta. Demorei tanto a perceber o que estava acontecendo que depois fiquei me achando uma retardada. É que apesar de saber que estamos sujeitos a isso nesta cidade tão violenta e tantas outras do país e do mundo, sempre achei isso meio improvável.

Quando finalmente percebi o que estava acontecendo já estava com a alça da bolsa quebrada e puxando de um lado e mala do outro. Não sei por quanto tempo ficaríamos assim, mas um segundo de “sanidade” passou pela minha mente e resolvi soltar a bolsa, tive medo de ser realmente agredida.

Não tive reação nenhuma, nem de correr nem de gritar. Também não sei se teria adiantado muito, pois a rua estava completamente deserta, apesar de muito bem iluminada com o sol do meio-dia.

Levaram muitas coisas que eu gostava, apesar de terem pouco valor. Tô evitando pensar nisso, porque realmente gostava das coisas que eles levaram, mas espero que ele tenham ficado com muita raiva ao perceber o mal negócio que fez, afinal, assaltar gente lisa não é bom negócio pra ninguém, nem mesmo para o ladrão mais pé-de-chinelo.

Ai, ai, entrar para as estatísticas não é nada legal, mas paciência né? Agora é dar graças a Deus que nada mais sério aconteceu. Daqui a pouco recupero tudo que levaram, claro que sem o mesmo valor sentimental...

Por enquanto o placar está assim: Assaltantes 1 x 0 Pequenininha :), mas já, já isso vai mudar.

É cada vida que aparece nessa coisa

Sempre achei que fosse lenda essa coisa de taxista ficar falando demais, de saber da vida dos passageiros e de fazer do seu veículo um espaço de análise. Já peguei muitos taxis, mas nunca um taxista que falasse sem parar e que começasse a contar a sua vida para um estranho.

Pois bem, eis que estava voltando para casa de um trabalho externo e pego um taxi. O taxista começa a falar sem parar e eu começo a pedir a Deus que ele se cale ou que ligue o som pra não ficar aquele silêncio constrangedor. Não sou muito de conversar com estranhos, mamãe sempre disse pra eu não fazer isso e eu sempre fui uma ninã muito obediente. Torci que só pra criatura fechar o bico, mas não teve jeito. Ele começou a falar da "peste" gay que invade a cidade (não em pergunte como surgiu esse assunto), dos "rapazinhosa sarados" que ele conduz durante a noite para as boates e de quanto ele gostava de mulher. "Ai, Jesus, lá vem", pensei eu. Tentei ligar o off, mas como não consegui, liguei o piloto automático para conversas indesejadas com estranhos super estranhos e fiquei só no "hunrrum", "arram", "é...", "só...".

Alheio ao meu suuuper interesse pela conversa, o senhor continuou (ele já tinha mais de sessenta anos): "Eu sou viúvo, mas tenho duas mulheres. Elas levam meu dinheiro todinho, mas tem nada não, é pra isso que a gente trabalha. É ou não é?" - "É... (O que é que eu tô dizendo mesmo?)".
- "Mulher é bom demais, ainda mais se for uma loura assim bem arrumada, pra gente descer num restaurante e chamar a atenção de todo mundo". Oi? Tipo assim, pra exibir como troféu, né? Se for um troféu estereotipado melhor ainda.

Fingi estar interessada no tempo passando do lado de fora do carro, mas mesmo assim ele continuou: "Mulher tem que ser bonita. Aff, mulher gordona é muito feia. A outra que eu tenho é muito gorda. Coloquei ela na academia, mas ela disse que não queria ir mais porque ficavam dando em cima dela (como assim?) então eu disse pra ela evitar de comer alguma coisa, porque é muito bonito quando uma mulher veste um shortinho curto e fica toda jeitosinha". Pára tudo que eu vou vomitar. Será que faz sentido eu desfiar o meu discurso contra o precnceito aos gordos com uma pessoa como essa? Não, melhor eu continuar a me fingir de muda e retardada mental.

"A gente já chegou? A gente já chegou? A gente já chegou?" Que vontade de dar uma de burro do Shreck ou de passar por cima de todos aqueles carros que tornavam o percurso mais lento. "Será que essa criatura não tem simancol? Melhor, será que essa criatura ainda faz alguma coisa com essas mulheres (não consegui não pensar nisso).

Graças a Deus ele achou outro assunto pra tagarelar na metade do caminho, mas eu continuei no automático e fazendo fica p chegar logo. Quando ele parou o carro quase saí correndo, um pouco passada e achando tudo aquilo muito engraçado, não só pelo fato de realmente conhecer um taxista que fala demais como pelo teor do assunto. Infelizmente, a visão machista e da mulher objeto ainda resistem em algumas pessoas.

Ah, e abaixo o preconceito aos gordos, esse preconceito que existe tanto quanto os outros, mas que a maioria das pessoas prefere não reconhecer, afinal, reconhecer que tem preconceito tá fora de moda, né? O legal é ser uma pessoa super aberta e despida de preconceitos, de preferência se for magérrima, alta e loura.

;)

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não“. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

Frase do dia...

"Tudo é para sempre... até o dono levar"

...

Esse post não tem um assunto específico. Apenas senti vontade de escrever, não é exatamente aquela vontade de quem quer escrever com ânsia de dizer alguma coisa, com necessidade de desabafar e desejo de trazer aos leitores algum tipo de reflexão. Tive vontade apenas porque meu blog anda muito abandonado, porque não tenho tido tempo de escrever aqui para contar que o açude Orós finalmente sangrou e que está lindo, apesar de eu ainda não ter podido ir vê-lo, nem para contar que minha primeira sobrinha nascerá daqui a dois dias e eu não poderei estar lá para vê-la, muito menos para contar o motivo da minha falta de tempo.

Todas essas coisas são importantes para mim, ainda que de formas bem diferentes, e eu ainda pretendo escrever com calma sobre elas. Hoje, porém, quero apenas deixar aqui registrado que este blog ainda vive, que eu penso nele, ainda que não esteja escrevendo. Quero me aproximar um pouco mais dele e não deixá-lo “abandonado” como tenho feito com alguns amigos.

Quero começar por ele a me reaproximar de tudo que gosto: dos amigos de infância, dos amigos mais recentes, da família e de tantas outras coisas. Quero exercitar, começando por aqui, o aprender a ter tempo para as coisas que me fazem bem e a fazer hoje aquilo que eu acho que deve ser feito amanhã. Quero tentar diminuir os riscos de o amanhã não chegar nunca. Não quero mais adiar alegrias, deixar para depois os bons encontros, pois o tempo realmente não pára e aquilo que parecia tão perto começa a ser separado por dias, semanas, meses, anos... tanto tempo que até as lembranças começam a ser esquecidas.

Sei que lidar com o tempo não é algo fácil, mas estou disposta a tentar aprender a utilizá-lo da melhor forma possível e a fugir das armadilhas que ele prepara. A primeira lição eu já fiz.

Orós


Li no jornal que o açude da minha cidade está prestes a transbordar. Essa notícia deixa a mim e todos os meus conterrãneos extremamente feliz, pois ver o Açude Orós sangrando é um espetáculo de rara beleza e que não acontece todos os dias. Expressei minha alegria para uma amiga e ela se mostrou espantada com isso.


-O que tem de demais?


A indagação dela me pareceu bastante estranha, quase como perguntar o que tem de demais em uma tsunami acontecer (estou exagerando um pouco, é verdade). Ora, mas como esperar que alguém que não more, tenha morado ou mesmo conheça Orós entenda e sinta o que é ver o açude transbordar? Depois de digerir a indagação, de tentar explicar o que tem demais em um açude transbordar, percebi que somente que já viu tal espetáculo da natureza ou quem tem alguma ligação com Orós é capaz de entender o que é ver o Açude Orós sangrar.


Somente quem viveu a infância inteira ouvindo histórias fantásticas dos períodos de cheia do açude sabe o que é isso. Histórias que, para mim, até 2004 eram quase folclore. Somente quem viu o açude sangrar e julgava que isso jamais voltaria a acontecer sabe o que significa vêlo novamente cheio. Somente quem recordava com um brilho saudoso nos olhos e um tom de voz melancólico as cheias do açude sabe o que é vê-lo novamente transbordar.


Em 2004, após longos anos, o Açude Orós volta a transbordar. Uma enorme alegria para os oroenses, que se apóiam na importância do açude, seja para sobreviverem através da agricultura, seja para esquecerem que Orós é uma cidade tão pequena que talvez fosse completamente esquecida sem a existência do reservatório.


Este ano vivemos novamente a esperança de vê-lo sangrar. Faltam apenas dois metros para que isso aconteça. Mas somente quem procura se informar todos os dias de quanto falta para ele sangrar ou visita a parede do açude para verificar se falta muito consegue compreender a graça do feito.

Banheiros são essenciais

Uma das coisas que mais me incomodavam quando estudava na UFC era usar o banheiro, pois além dos medos comuns que temos ao usar banheiros públicos, o da UFC não possuía uma estrutura das melhores. Não possuía.

Fiquei surpresa ao entrar ontem no novo banheiro da UFC, que passa a quilômetros de distância do antigo. Após uma reforma de vergonha, os atuais alunos e também os visitantes da CH2 agora podem usar o banheiro com um pouco mais de conforto. O banheiro agora possui box especial para deficientes físicos, pias novas, papel higiênico e até sabonete.

Talvez pareça para alguns que estou dando a este fato atenção maior que a merecida, mas, para mim, ele merece sim um texto. Afinal, ter um banheiro novinho em folha na UFC é realmente algo incrível, ainda mais se ele tiver papel higiênico e sabonete, já que quando eu estudava lá (o que não faz muito tempo) se tivéssemos torneira na pia já devíamos nos dar por felizes.

Sei que tem gente que acha bobagem essa história de banheiros e que algumas crenças (se é que posso chamar assim) consideram o banheiro um lugar negativo, mas precisamos admitir que o banheiro é extremamente importante para nossas vidas.

Além de ser um local perfeito para nossas necessidades fisiológicas e higiene pessoal, ele também alivia nossas dores (inclusive de barriga. Ui!). Não sei como funciona isso para os homens, mas o banheiro é um dos grandes amigos da mulher. Quando bem “usado”, o banheiro é melhor que muitos divãs.

O banheiro tem o dom de aproximar as mulheres. Nele fofocamos com as amigas e fazemos novas amizades. Expomos nossos sentimentos, desabafamos e choramos (pode ser olhando no espelho qual o melhor ângulo do seu rosto ou escorregando pela parede, bem cena de novela). Rimos, ensaiamos uma conversa (com o namorado, pretendente, paquera, caso, rolo etc.) e também damos uma ajuda à natureza retocando a maquiagem e arrumando a roupa e o cabelo.

No banheiro descobrimos coisas que jamais descobriríamos em outros locais, bolamos planos mirabolantes (para conquistar um bofe, se vingar de amiga traíra, convencer alguém a aceitar suas idéias etc.) e temos as melhores idéias que já tivemos na vida, não importa se estamos sentadas em um momento “privado”, lavando os cabelos ou passando batom.

Digam o que quiserem, mas o banheiro, os sujos e os limpos, os bonitos e os feios, são essenciais para a vida social das pessoas, pois são neles que surgem as melhores idéias, as grandes reflexões e as boas amizades. Quem nunca teve pelo menos uma dessas três coisas em um banheiro?

Mude


Dizem que fuçar as coisas dos outros é algo muito feio, mas isso não é uma verdade completa e muito menos uma mentira completa. A curiosidade matou o gato? Talvez sim, talvez não. O que sei é que quando olhamos algo que não devemos ou que não fomos convidados para olhar, podemos acabar descobrindo coisas que não gostaríamos de saber nunca, mas também podemos descobrir algo bom que se encaixa perfeitamente com o que estamos procurando, mesmo quando não sabemos o que estamos procurando.


Fuçando por aí, encontrei uma mensagem que despertou minha atenção. Gostei dela pela lição que traz, por enxergar nela ânimo para mim e para os amigos. Amigos que muitas vezes enfrentam situações pelas quais já passei. Vejo-me neles, como se fossem espelhos, quero ajudá-los de alguma forma, mas sei que não posso fazer muito, pois o caminho só existe para nós quando passamos por ele.


Eis a mensagem:


"Mude. Mas comece devagar,porque a direção é mais importante que a velocidade.(...)Mude por uns tempos o estilo das roupas. (...)Procure andar descalço alguns dias. Tire uma tarde inteira para passear livremente na praia ou no parque, e ouvir o canto dos passarinhos. (...)Viva outros romances! Não faça do hábito um estilo de vida. Ame a novidade. (...)Tente o novo todo dia. O novo lado, o novo método, o novo sabor,o novo jeito,o novo prazer,o novo amor,a nova vida. Busque novos amigos. Tente novos amores. Faça novas relações. (...) Ame muito, cada vez mais, e modos diferentes. (...)Mude. Lembre-se de que a Vida é uma só. (...)Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as. Seja criativo. E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa, longa, se possível sem destino. (...)O mais importante é a mudança, o movimento,o dinamismo, a energia. Só o que está morto não muda!" Edson Marques

Mudar é preciso! Então, sejamos metamorfoses ambulantes, sejamos lagartas e borboletas, sejamos fênix...

"Após amarguras sentidas, transforma-te. Sê a grega e mitológoca ave, que além de seu eterno retorno das cinzas é capaz de suportar pesadas cargas. Ressurge exuberante e mais sábia, mais serena".




Não se mate

Carlos, sossegue,
o amor é isso que você está vendo:
hoje beija, amanhã não beija,
depois de amanhã é domingo e segunda-feira
ninguém sabe o que será.
Inútil você resistir
ou mesmo suicidar-se.
Não se mate, oh não se mate,
reserve-se todo para as bodas que ninguém sabe quando virão, se é que virão.
O amor, Carlos, você telúrico,
a noite passou em você, e os recalques se sublimando,
lá dentro um barulho inefável,
rezas, vitrolas,
santos que se persignam, anúncios do melhor sabão, barulho que ninguém sabe
de quê, pra quê.
Entretanto você caminha
melancólico e vertical.Você é a palmeira, você é o grito que ninguém ouviu no teatro
e as luzes todas se apagam. O amor no escuro, não, no claro,
é sempre triste, meu filho, Carlos, mas não diga nada a ninguém, ninguém sabe nem saberá.

Carlos Drummond de Andrade

Vale a pena ler de novo

  • A lição final
  • A sangue frio
  • Crônicas de Nárnia
  • George e o segredo do Universo
  • O caçador de pipas
  • O Pequeno Príncipe

Ache aqui:

Seguidores